Apenados produzem hortaliças para abastecer unidades prisionais no Estado

A Unidade Prisional de Ressocialização – UPR de Caxias, o asilo Lar da Divina Providência, Colégio Militar Tiradentes IV e a Casa de Apoio aos Pacientes em Tratamento de Hemodiálise, são algumas das instituições que estão sendo beneficiadas com hortaliças cultivas pelos próprios internos do sistema prisional do Maranhão.

Além das hortas instaladas no interior do estado, os canteiros em funcionamento nas Unidades Prisionais da capital realizam doações permanentes. Em Caxias, cinquenta internos que cumprem pena na Unidade Prisional de Ressocialização – UPR, foram integrados ao programa de Agricultura Orgânica, que surgiu numa parceria entre a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e o Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA).

Na horta da UPR de Caxias são cultivadas hortaliças como: cebolinha, coentro, couve, alface, quiabo, pimenta malagueta, pimentão, pimenta de cheiro, tomate cereja, feijão, abóbora, rúcula e vinagreira.

“A horta da UPR de Caxias já existe há dois anos. Porém, nos últimos dois meses, ela foi remodelada e melhorada após o curso, que ampliou muito a visão dos nossos internos. Atualmente, trabalhamos com 36 canteiros extremamente férteis, devido à aplicação das técnicas de cultivo”, contou o diretor da UPR de Caxias, Mauricio Monteiro Junior.

Em todo o Estado são noventa e oito internos trabalhando em 21 hortas distribuídas nas penitenciárias. Para participarem do projeto, todos os internos inseridos do programa, foram capacitados em Agricultura Orgânica, e ao cumprirem suas penas, estarão aptos a entrarem neste mercado de trabalho.