Em pesquisa de preços de material escolar em Caxias, Procon encontra variação de até 199%

Para ajudar os pais e responsáveis a economizar, o Procon/MA lançou, na sexta-feira (18), nova pesquisa de preço de material escolar, desta vez, com fornecedores das cidades de Caxias, São João dos Patos e Santa Inês. A pesquisa foi realizada entre 9 e 16 de janeiro, sendo analisados 396 itens, em 10 estabelecimentos comerciais.

Em Caxias, o item que atingiu maior variação, chegando a 199%, foi o Apontador com Depósito, da marca Summit, que de R$ 1,00, na Livraria Graúna (Centro), chega a custar R$ 2,99, nas Lojas Americanas (Caxias Shopping). Em segundo lugar, vem o Corretivo Líquido a base de água Ecolution 18 ml, da marca BIC, com variação de 149,58%, com preços entre R$ 5,99, na Lojas Americanas (Caxias Shopping), e R$ 2,40, no Comercial Moreira (Centro).

O levantamento demonstra a variação de preços dos produtos com os menores, maiores e valores médios de venda. São listados itens essenciais da rotina estudantil como agendas, apontadores, borrachas, canetas esferográficas e hidrográficas, cadernos, colas, giz de cera, dicionários, papel e mochilas.

Segundo a presidente do Procon/MA, Karen Barros, o órgão tem ampliado sua pesquisa para as demais cidades, a fim de colaborar com a economia dos consumidores em todo o Estado. “É importante que os consumidores adquiram o hábito de pesquisar, sempre visando a compra daquilo que é necessário e cabe no seu bolso. Ações como essa ajudam a evitar o superendividamento e, estamos de olho nos preços praticados em todas as regiões do Maranhão”, afirmou.

Critérios de comparação

O Procon/MA reforça que para critérios de comparação, as informações apresentadas na pesquisa são referentes aos valores unitários de cada item, porém esses podem também ser vendidos exclusivamente em embalagens tipo blister com mais de uma unidade cada, conforme modelo disponibilizado pelo fabricante, alterando o preço final do kit. Confira a pesquisa completa em www.procon.ma.gov.br.

Caso o consumidor note alguma irregularidade nos preços praticados, o órgão orienta formalizar uma reclamação pelo aplicativo, site ou nas unidades físicas de atendimento.