IFMA Caxias orienta como criar uma microempresa

O Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Caxias promove, de 21 a 23 de novembro, um ciclo de palestras e oficinas para capacitar estudantes da modalidade Educação de Jovens e Adultos (Eja) sobre como constituir uma microempresa e como fabricar produtos de limpeza. A atividade é coordenada pelos professores Pedro Alberto Pavão Pessôa e Raimundo Nonato Assunção de Sousa Filho e conta com o apoio técnico de Sandro Rodrigo Brito, além de acadêmicos do curso licenciatura em Química.

Estudantes do ensino fundamental e médio interessados em participar podem se inscrever na coordenação de Química (sala 14) ou obter mais informações pelo e-mail pedro.pessoa@ifma.edu.br.

Nesta quarta-feira (21), a partir das 19h, no auditório central, o professor Raimundo Filho vai proferir palestra sobre as vantagens e desvantagens dos comércios informal e formal. Ele irá abordar, ainda, o tema “Desburocratizando a formalização de uma empresa”.

Na noite do dia seguinte, Paulo Gilberto, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), vai ensinar o passo-a-passo da criação do plano de negócio e irá realizar uma simulação de uma microempresa de produtos de limpeza.

Finalizando, na sexta-feira (23), será ministrada uma oficina sobre a produção de produtos de limpeza.

Pedro Pessoa destaca que as atividades fazem parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que nesta edição contempla um dos temas de maior relevância da sociedade: a redução das desigualdades. “Parcela significativa da população se encontra à margem da sociedade em condições sub-humana por falta de renda ou emprego digno”, pondera Pedro Pessoa.

“O principal motivo desse desemprego é a ausência de qualificação ao mercado de trabalho e, também, o abarrotamento de alguns setores que utilizam mão-de-obra com baixa qualificação”, explica Pessoa. Segundo o professor, “muitas pessoas utilizam práticas ilegais e muitas vezes perigosas. Comprar mercadorias sem fiscalização e vender em barracas ou de porta em porta é correr risco de ser presa ou ter toda a mercadoria apreendida, além de não haver direito à previdência”.

As atividades têm o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) e da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI).