Maranhão possui 12 pontos atingidos por manchas de óleo

O Maranhão possui 12 pontos atingidos por óleo. Nesta sexta-feira (11) a Reserva Extrativista (Resex) Cururupu, localizada a 157 km de São Luís, foi incluída na lista do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), após ter sido encontrado manchas de óleo na região.

Com isso, sobe para dois o número de unidades de conservação da natureza atingidas pela poluição no Maranhão. Ao total, 12 unidades já registraram pontos poluídos por óleo de acordo com Instituto Brasileiro de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

A poluição também foi registrada na região dos Lençóis Maranhenses, nos municípios de Santo Amaro do Maranhão, Barreirinhas e Araioses. Em Alcântara, uma tartaruga foi encontrada por banhistas na Praia de Itatinga completamente coberta de óleo, foi tratada e devolvida ao mar. Já em Araioses, uma outra tartaruga foi encontrada morta.

Pontos com registro de poluição no Maranhão.

Localidade Município Data de avistamento
Ilha dos Poldros Araioses 16/09/19
Ilha dos Poldros Ilha Grande 20/09/19
Praia Canto do Atins Barreirinhas 20/09/19
Praia do Barro Vermelho Paulino Neves 21/09/19
Praia de Itatinga Alcântara 22/09/19
Praia Canto do Atins Barreirinhas 22/09/19
Travosa Santo Amaro do Maranhão 25/09/19
Praia da Mamuna Alcântara 25/09/19
Santo Amaro do Maranhão Santo Amaro do Maranhão 25/09/19
Ilha do Livramento Alcântara 25/09/19
Av. Litorânea São Luís 26/09/19
Ilha Caçacueira – Resex de Cururupu Cururupu 10/10/19

A poluição ameaça a pesca de mais de 4 mil pessoas que vivem na região e podem afetar a vida de animais marinhos, como o peixe-boi (Trichechus manatus), que está na lista de espécies ameaçadas.

O peixe-boi marinho foi, durante muito tempo, apenas uma lembrança na vida dos moradores mais antigos da região, conta Fonseca. Mas, do ano passado para cá, já houve dois relatos destes animais na região: primeiro, dois espécimes foram vistos em uma parte da reserva; depois, um casal e um filhote em outra área.

Peixe-boi marinho, espécie que é encontrada na área da Reserva Extrativista de Cururupu.  — Foto: Instituto Bicho D'água.Peixe-boi marinho, espécie que é encontrada na área da Reserva Extrativista de Cururupu.  — Foto: Instituto Bicho D'água.

Peixe-boi marinho, espécie que é encontrada na área da Reserva Extrativista de Cururupu. — Foto: Instituto Bicho D’água.

A reserva é formada por 15 ilhas, tem 185 mil hectares e foi delimitada em 2004 para preservar os modos de vida da população tradicional e garantir o uso sustentável dos recursos.

Mais de 90% dos manguezais de Cururupu estão preservados. A presença do óleo representa um risco à biodiversidade deste ambiente, já que é praticamente impossível remover o óleo do mangue, de acordo com Maria Christina Araújo, oceanógrafa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Área da reserva extrativista Cururupu, no litoral do Maranhão, foi atingida por manchas de óleo que poluem as praias do Nordeste. — Foto: Elida Oliveira/G1Área da reserva extrativista Cururupu, no litoral do Maranhão, foi atingida por manchas de óleo que poluem as praias do Nordeste. — Foto: Elida Oliveira/G1

Área da reserva extrativista Cururupu, no litoral do Maranhão, foi atingida por manchas de óleo que poluem as praias do Nordeste. — Foto: Elida Oliveira/G1