Mourão diz que caso de Flávio não é problema do Planalto e afirma: ‘Que a lei sirva para todos’

O vice-presidente da República Hamilton Mourão disse ao blog que não vê dificuldades para o governo Jair Bolsonaro mesmo com a crise envolvendo um dos filhos do presidente, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

No fim de 2018, um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O documento revelou a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de um ex-motorista e ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz.

“Pior é a guerra que morre gente”, afirmou Mourão, que ocupa, pela primeira vez, a partir desta segunda-feira (21), a Presidência da República de forma interina.

Questionado pelo blog sobre se a situação de Flávio é difícil para o governo, ele respondeu: “Eu não acho difícil porque tenho a seguinte teoria: pior é a guerra que morre gente. Isso [caso de Flávio] é uma questão de elucidar o caso, se tem crime julgue-se de acordo com a lei e pronto. Qual a grande glória da democracia? A lei. A lei é fundamental no sistema democrático. Mais ainda: Que a lei sirva para todos”.

Na última sexta-feira (18), o Jornal Nacional teve acesso, com exclusividade, a um trecho de um relatório do Coaf sobre movimentações bancárias suspeitas de Flávio Bolsonaro. Em um mês, foram 48 depósitos em dinheiro numa conta do senador eleito, no total de R$ 96 mil.

Mourão conversou com o blog neste domingo (20). Ele foi um dos primeiros integrantes a cobrar publicamente explicações de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio, ainda em dezembro.

Para o vice, a questão agora é um problema de Flávio Bolsonaro, que precisa explicar o caso. “O que vamos falar? Não tenho o que dizer. É um problema do Flávio Bolsonaro”.

Mourão emendou: “Apure-se. Existe uma expressão no Exército que diz ‘apurundaso’ – um acrônimo de apurar e punir se for o caso”.

Indagado se a estratégia de defesa de Flávio, de pedir para suspender a investigação do Coaf no Supremo Tribunal Federal (STF), não pesa contra o discurso de combate à corrupção, o vice disse: “Defesa é defesa. Até onde é corrupção, até onde é rachadinha? Agora, existem outros investigados na mesma operação e ninguém dá bola. Cade o cara dos 24 milhões?”.

Afastamento do Planalto

O vice afastou o caso do Palácio do Planalto. “Isso vai ficar incomodando por causa do sobrenome. É bom para o governo? Fica essa pressão toda, não é um problema do governo. Se o sobrenome fosse qualquer outro, não tinha problema”, complementou Mourão.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, também afastou o caso do Palácio do Planalto. Ao blog, ele disse que é uma questão “totalmente pessoal” e que “aguarda os acontecimentos”. “Não tem nenhuma decisão do governo, contratação, zero, nada, que tenha sido pautada por isso. Não vou dar palpite por que não tem nada a ver com o governo”.