Presidente em exercício, Toffoli diz que ‘ninguém’ se arriscará a ‘desafiar’ democracia

O presidente da República em exercício, Dias Toffoli, afirmou nesta terça-feira (25) que, na opinião dele, “ninguém” se arriscará a “desafiar” a democracia no Brasil.

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Toffoli assumiu a Presidência da República porque o presidente Michel Temer está nos Estados Unidos e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira, também estão no exterior.

Na tarde desta terça, Dias Toffoli convocou a imprensa para uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto. Entre outros pontos, foi questionado se acredita que o resultado das eleições de outubro será questionado na Justiça, como em 2014.

“Tenho certeza de que todos os candidatos que hoje estão colocados para a disputa no primeiro turno têm clareza de que o respeito às regras do jogo faz parte da possibilidade de uma vitória num eventual segundo turno. Ninguém vai se arriscar a desafiar a democracia no Brasil. Nós estamos atentos a defender a democracia no Brasil”, afirmou.

Em 2014, quatro dias após o segundo turno da eleição presidencial, o PSDB pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que fizesse uma auditoria para verificar o sistema que apura e faz a contagem dos votos argumentando que era necessário checar a “lisura” do resultado.

Na ocasião, o candidato do partido, Aécio Neves, perdeu no segundo turno para Dilma Rousseff (PT). O TSE negou o pedido do PSDB, mas liberou o fornecimento de dados e autorizou o acesso a programas e arquivos eletrônicos usados no processo.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli,  ao conceder entrevista no Palácio do Planalto como presidente da República em exercício — Foto: Fernanda Calgaro/G1O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli,  ao conceder entrevista no Palácio do Planalto como presidente da República em exercício — Foto: Fernanda Calgaro/G1

‘Polarização’

Durante a entrevista no Planalto, nesta terça, Dias Toffoli foi indagado sobre “polarização” nas eleições.

O presidente da República em exercício, então, disse ver esse tipo de situação com “naturalidade”, ressaltando que quem for eleito terá que dialogar com todos os setores da soceidade.

“A polarização é da disputa eleitoral. Eu vejo isso com naturalidade. São visões para o eleitor escolher. Não tenho nenhuma dificuldade em dizer o seguinte: o voto popular, a democracia é o melhor caminho para se fazer uma grande nação”, afirmou.

Ainda na avaliação de Dias Toffoli, o presidente eleito precisará saber conversar com todos.

“Não tem outra situação possível. Aquele que vier a ser ungido pelas urnas terá que dialogar com Congresso, Judiciário, sistemas de controle, sociedade, imprensa e comunidade internacional. Estamos falando de uma nação que é a quarta maior democracia no mundo. 210 milhões de habitantes. É um país complexo. Não é um país fácil”, declarou.

O ministro Dias Toffoli no exercício da Presidência da República nesta segunda-feira (24), durante despacho no Palácio do Planalto — Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

O ministro Dias Toffoli no exercício da Presidência da República nesta segunda-feira (24), durante despacho no Palácio do Planalto — Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

Presidência da República

Toffoli também comentou na entrevista os dois dias como presidente da República em exercício. Disse ser uma “alegria” voltar ao Palácio do Planalto 13 anos após ter trabalhado na assessoria jurídica do governo, entre 2003 e 2005.

Afirmou, ainda, que causa um “frio na barriga”, mas, por outro lado, “há uma emoção muito grande”.

Nesse período de interinidade, o ministro cumpriu uma agenda extensa, que incluiu algumas cerimônias e sanções de projetos: