Universitários realizam mobilização para reivindicar conclusão de campus da Ufma em Balsas

A demora na entrega das obras virou motivo de revolta e mobilização dos universitários, professores e técnicos do Campus da Ufma de Balsas, a 810 km de São Luís. Atualmente, a universidade funciona de forma provisória em um prédio que foi cedido pela prefeitura da cidade.

Segundo o relatório da Pró-Reitoria de Administração e Finanças (Proaf), os investimentos em obras no campus Balsas duram de 2013 até 2018 e já somam mais de R$ 11 milhões. Uma comissão formada para o acompanhamento das obras do novo campus fez uma denúncia ao Ministério Público (MP) em 2015, apontando o descumprimento na execução do contrato das empresas responsáveis pelos serviços e na liberação de recursos mesmo sem a conclusão da obra.

Universitários realizam mobilização para reivindicar conclusão de campus de universidade em Balsas — Foto: Reprodução/ TV Mirante

Em 2013 o prédio foi entregue provisoriamente para atender um curso, e hoje, cinco anos depois já atende quatro cursos, um bacharelado e três engenharias. Segundo professores e alunos, falta espaço adequado para as aulas que precisam ser remanejadas para outros horários pela falta de salas.

Os investimentos em obras no campus Balsas duram de 2013 até 2018 e já somam mais de R$ 11 milhões. — Foto: Reprodução/ TV Mirante

De acordo com a coordenadora do curso de bacharelado em ciência e tecnologia, Gisélia Brito, os cursos precisam ter horários mudados e algumas aulas acabam se estendendo para o horário da noite ou fim de semana pela falta de salas disponíveis. “Nós fizemos algumas reivindicações e não obtivemos respostas satisfatórias. Por isso foi programado esse dia de mobilização, esse dia é o nosso exercício da cidadania, ele foi planejado para que a sociedade balsense tome posse da universidade que é dela. Nós precisamos de melhores condições de trabalho”, afirmou.

Além disso, a infraestrutura do prédio também apresenta vários problemas como paredes rachadas, infiltrações que deixam o ambiente com forte cheiro de mofo e a água da chuva que escorre pelas paredes. Três prédios estão em andamento no local do campus e o que apresenta mais atraso é o pavilhão do setor administrativo que possui apenas quatro pessoas trabalhando na instalação elétrica. Os outros dois prédios que são das salas de aula e laboratórios ainda não estão totalmente concluídos, e nenhuma obra de urbanização foi realizada.

Para a universitária Genilde Oliveira, o ensino é de qualidade, mas a estrutura do local deixa a desejar. “Para engenheiro não ter a parte prática ou fazer ela de qualquer jeito é prejudicial na formação e é prejudicial para as pessoas que vão receber os nossos serviços. O nosso ensino tem qualidade, porém a parte estrutural está deixando a desejar, algumas disciplinas estão pendentes porque não tem laboratório para finalizar os cursos e oferecer uma graduação de qualidade”, contou.

A Ufma informou que uma equipe da universidade foi na terça-feira (06) a Balsas para informar aos os alunos, professores e funcionários sobre a continuidade das obras do campus. Segundo a Ufma, laboratórios e salas de aula terão obras finalizadas até o fim de dezembro, e o prédio administrativo será concluído até fevereiro de 2019. Além disso, duas equipes realizarão reparos no telhado do campus provisório e um levantamento da estrutura elétrica para realizar trabalhos de manutenção.